sexta-feira, 1 de abril de 2011

O MARIMBONDO


Olá amigo(a), como você está? Eu estou entrando aqui para você que me vê como não sou porque não consegue ir além do que pensa. Um marimbondo é que me faz inspirar o que escrevo... Como pode ser? Ele se alojou em meu escritório no quarto andar de um prédio e pelo que vi e senti, afeiçoou-se ao ambiente e, também, a mim. Desde ontem que eu já o tinha visto e quando cheguei hoje cedo, pela manhã, ele ainda permanecia no mesmo lugar, exatamente no alto da porta, na passagem para o banheiro. Fiz com que ele subisse a um cano de PVC que estendi com a mão e, por uma das janelas, o fiz ir para fora, onde ficou esvoaçando. Fechei as janelas e pensei: agora ele vai encontrar lugar melhor para viver... Fiquei vendo-o através das vidraças e observei que ele, apesar de esvoaçar num espaço livre a certa distância e grande altura, mantinha-se orientado quanto ao lugar que saíra e, vez ou outra, retornando, esbarrava nas vidraças e, nessas evoluções com idas e vindas, terminou por entrar pelo espaço livre destinado ao ar condicionado. A sua reconquista foi merecida e resolvi não mais importuná-lo. Embora saiba que é deveras doloroso uma ferroada de marimbondo (vespa dotada de aguilhão inoculador de veneno), creio que seus fins são inteiramente pacíficos para comigo. Admito que, conhecendo-me, ele me elegeu como amigo. Faz-me companhia, no meu trabalho, como agora, quando estou só. Quando me levanto para ir ao banheiro, abaixo-me prudentemente, um pouco, na porta de passagem, para que ele não interprete mal a proximidade da minha cabeça junto a ele no local em que está pousado. E assim vou e volto. Mas não vi, até o presente momento, alteração alguma de sua parte. Ele não me tem como uma ameaça a sua vida. Para mim, pode ser que ele seja um bom soldado da natureza, em defesa do meu bem estar. Você já imaginou como seria interessante, se você tivesse um marimbondo para lhe defender?!... Já concebeu a importância de um marimbomdo no contexto da vida?!... Ele é um sinal da existência, do existir, do ser... Ele é porque é e, assim, teve e tem que ser; como eu e você. Não, não precisa compreender. O marimbondooooooooo... Oh! OH! Oh! amigo(a), que bom saber de você o que sei no não saber. Tchau!... Tchau!... Abraços, Ramezoni.

Um comentário:

Emmanuel Mesquita 8705-8718 disse...

Quão lindo é a interação da natureza comntigo, você expressa a natureza divina, a paz harmonia, tira mais fotos desse companheiro um soldado de Deus, a seu dispor uma amizade que vai ficar a gratidão de um teto uma boa companhia, emmanuel mesquita, vovó leu coigo esse texto achou otimo, abraço